OBS de 22/09/2016: Queridos leitores, infelizmente o site Jornal |Jardins,teve um problema e as fot

Minha foto

Sou uma apaixonada pela vida, sem limites pra sonhar...
Sou determinada, e adoro as coisas simples da vida... Não gosto de nada mal resolvido, sou preto no branco,o cinza não me convence...Sou sincera e verdadeira e só gosto de me relacionar com gente assim...
Pessoas, que como eu, tem atitude pra mudar o que não está bom, não se conforma, nem se acomoda com o mais ou menos....Ou está bom, ou a gente faz ficar.
A FELICIDADE ESTA EM NOSSAS MÃOS E DE MAIS NINGUEM.
POR ISSO ACORDA MENINA.

terça-feira, 30 de março de 2010

Natura Humor com mais uma fragrância

A linha Natura Humor está com mais uma nova fragrância: Paz e Humor. Um perfume masculino e energético com caminho olfativo Ervas Envolventes, para diferenciar dos demais perfumes da linha, que têm em sua maioria, fragrâncias amadeiradas e florais. O frasco é verde translúcido com uma bandeirinha de ilustração.




Paz e Humor




foto: divulgação

TANIA BULHÕES PARA A PÁSCOA

Tania Bulhões Perfumes  traz o lançamento do Sweet Vanilla Hand Soap, com fragrância de chocolate, ótima opção para presentear na Páscoa, para as pessoas que querem diferenciar do convencional.


foto: divulgação


 

www.taniabulhoes.com.br

Lançamento do batom com gloss é a sensação do momento

Toda mulher na hora de se maquiar fica com aquela a mesma questão: usar batom ou gloss? Na dúvida, use os dois! Pensando na praticidade para o dia a dia, a thipos lança o batom com gloss. A embalagem é super prática, basta desrosquear a parte de cima do batom, que logo abaixo é possível usar o gloss com um pincel que já vem embutido.




São 12 lindas cores para combinar com todos os momentos do dia e da noite. Além de deixar a boca linda, o batom com gloss hidrata os lábios deixando-os macios e charmosos para qualquer ocasião.
 
 
 
 
 
foto: divulgação
 
Informações: 
 
www.thipos.com

PUMA URBAN MOTION chega ao Brasil

A Puma apresenta suas duas novas fragrâncias: Puma Urban Motion Woman e Puma Urban Motion Man, com longa duração, ideais para ir ao bar ou balada.


A versão Woman possui aroma sensual, com frescor e notas cítricas, limão, tangerina, abacaxi.
O vidro da fragrância feminina parece girar





 Já a versão Man traz notas refrescantes e um aroma picante.
 O formato da fragrância masculina sugere um movimento multidirecional.

fotos: divulgação

Fonte: Passion Perfumes Cosméticos

BOTICÁRIO LANÇA A COLEÇÃO SURPRESA

O Boticário lança a Coleção Surpresa, com estojos para quem quer fazer A DIFERENÇA em opções de presente para a Páscoa..






Estojo Sabonetes Perfumados – Com seis sabonetes, nas cores amarela e rosa, com a mesma fragrância, de família olfativa floral frutal. R$ 29,90



Estojo Surpresas - Inclui Mousse Surpresa Creme Hidratante + Surpresa Óleo Corporal + Surpresa Sabonete Perfumado, de família olfativa gourmand e com embalagens nas cores pink, rosa, amarela, marrom e branca.

R$ 42,90



Fotos: divulgação

AVON REVOLUCIONA O SEGMENTO ANTI-IDADE

O presidente da Avon Brasil, Luis Felipe Miranda, apresentou à imprensa, no dia 11 de março,
 em São Paulo, a nova linha anti-idade Renew Reversalist, com produtos que trazem a exclusiva tecnologia Activinol que aumenta a produção da molécula Activin A, responsável pelo processo natural de reparação da pele e atua nos danos associados às rugas e linhas de expressão.
LUIS FELIPE MIRANDA


RENEW REVERSALIST
A linha Renew Reversalist poderá ser adquirida a partir de maio, por meio das mais de 1,1 milhão de Revendedoras Autônomas Avon, pelo telefone 0800-708-AVON (0800-708-2866), ou na Loja Virtual do site www.avon.com.br.

YASMIN LE BOM
A campanha publicitária impressa, o filme e o folheto Avon trazem a modelo inglesa Yasmin Le Bom para apresentar Renew Reversalist. Yasmin representa os cuidados com a pele e a modernidade da nova linha anti-idade. É uma mulher cuja atitude transmite a ideia de ser confiante e aproveitar tudo o que a vida oferece, independentemente da idade.

fotos: divulgação

SAC: 08007082866













 

quinta-feira, 25 de março de 2010

LANÇAMENTO DA REVLON PROFESSIONAL

A Revlon fêz coletiva de imprensa para comunicar a entrada no Brasil da Linha Revlon dedicada aos profissionais cabeleireiros. No mês de Abril deste ano a empresa estará inaugurando um Estúdio Gigante onde os profissionais poderão testar os produtos em salão com cobertura transparente.




Revlon Profissional>-Gustavo Mafio,Carmen Merino Montani,Domitille Tresca,Toni Fariza Vidal,Daniel Weikersheimer


fotos e texto: Sérgio Savarese

GISELE BÜNDCHEN É A SENSAÇÃO EM LANÇAMENTO DA NOVA COLEÇÃO DA PANTENE

Super aguardada a presença da famosa top model brasileira: Gisele Bündchen na tarde do dia 23 de março, os convidados e a imprensa estavam todos reunidos no no restaurante Leopolldo para apresentação da nova linha Pantene Pro-V.



foto: Sérgio Savarese





Gisele que esta mais bela depois da maternidade afirmou que esta empolgada com o lançamento do Creme de Tratamento Preventivo Pre-Styling Pantene.





"Adoro novidades! E esse é o meu mais novo segredinho para cuidar da saúde e da beleza dos meus cabelos. Seja no meu dia-a-dia ou em função do meu trabalho, aplico o creme antes do secador, chapinha ou baby-liss e assim garanto uma proteção única contra danos", comentou a top durante o lançamento.





A modelo se despediu rapidamente da festa, não sem antes posar para as lentes dos fotografos presentes.







fotos: Sérgio Savarese e Joanna Prado

quarta-feira, 24 de março de 2010

Coleção de Esmaltes Jóias Místicas da Risqué

Chega as lojas nesse mês (março) a coleção de esmaltes Jóias Místicas da Risqué. que foi pré-lançada no desfile de Reinaldo Lourenço, durante o São Paulo Fashion Week.

Todas as seis tonalidades foram baseadas em pedras preciosas.
Três delas, Diamante Roxo, Citrino Nude (eu considero uma cor bem elegante) e Turmalina são esmaltes cremosos e têm bastante brilho, do tipo verniz.



                                                         Sou fissurada no vermelho




                                  mas ultimamente estou querendo arricar, e já passei roxo, verde e azul.

Mas confesso, vai levar algum tempo para que eu me acostume com as cores foscas: Pedra Granada, Lápis Lazuli e Topázio Púrpura.Adoro ver minhas unhas brilhando.


Uma dica: quem quiser experimentar e não se acostumar pode aplicar uma leve camada de extra- brilho ou brilho com glitter.

Fica Lindo.

Preço sugerido para cada esmalte: R$ 2,50



fotos: Joanna Prado

modelo: Elaine

Fiuza On Th Road Again


RODRIGO FIUZA
A Rota para a Copa Mundial de Futebol de 2010 na África do Sul - um caminho cheio de aventuras, mistérios e superação.

Este é o tema que Rodrigo Fiúza, conhecido como o Atleta da Paz, vai levar para sua nova expedição.

O início da expedição será no dia 7 de abril em Londres. Para o pontapé inicial Rodrigo convidou alguns

amigos,fãs,imprensa e patrocinadores para uma bela feijoada amiga no




                                                               restaurante Nêgo
onde comemorou mais um início de roteiro ,agora em cima de uma Motocicleta .

fotos: Sérgio Savarese

domingo, 7 de março de 2010

A HISTÓRIA DO UNIFORME CANARINHO

Verde, amarelo, azul e… vermelho?
Depois que Charles Miller trouxe o futebol para o lado de cá do Atlântico, isso em 1894, a história do esporte ganhou graça, ginga e nuances supertropicais. Mas o amarelinho tão característico dos uniformes nacionais só apareceu em 1954, substituindo as oito tentativas anteriores que despontaram para o mundo a partir de 1914. Por sinal, foi naquele ano que a estreia da seleção tupiniquim aconteceu, num memorável 27 de julho, diante dos ingleses do Exeter City. Na partida, Oswaldo Gomes, vestindo polo com amplas faixas azuis nas mangas, calções brancos e meiões pretos, marcou o primeiro gol do Brasil.

O primeiro uniforme da Seleção Brasileira de Futebol: gola cadarço, calção branco, meias pretas com listras brancas e camisa branca com faixas azuis na região dos cotovelos.

E então a terra destinada aos Deuses da Bola tingiu os gramados com a alegria contagiante típica dos cordões carnavalescos. O futebol valeu-se dos toques mulatos e dos dribles desconcertantes que colocavam os “Joãos” no chão. O verde e o amarelo dividiram em maxi listras verticais o conjunto de 1916. A experiência não agradou e acabou com a concepção de um modelito alvinegro, convertido mais tarde em alviverde.
A primeira aparição das cores da bandeira nacional no uniforme da Seleção: maxi listras verticais combinadas com a gola cadarço. Não deu certo.
Quase impossível de acreditar: em 1917, a seleção brasileira entrou em campo com uma variação de uniforme na cor vermelha 
O uniforme da derrota: depois da Copa de 1950, o azul seria praticamente banido das camisas da Seleção 

Nas duas décadas seguintes – de 1919 a 1938 –, o selecionado aderiu à moda europeia, escolhendo trajes bicolores para as suas camisa branca e bermuda azul. Com o crescente entusiasmo causado por Leônidas da Silva (aka Diamante Negro), inventor do gol de bicicleta, o jeito foi abandonar as considerações do velho continente para inverter a lógica, a começar pelo vestuário que, simbolicamente, teve as cores das peças trocadas de lugar, ficando a camisa azul e a bermuda branca.
Essa camisa azul roubou a cena até 1944, sendo desbancada pela composição off-white com golas celestes. Mas como o neutro nada tem a ver com a personalidade explosiva dos latinos, o monocromático acabou banhado, novamente, pelo azulão. A tonalidade só foi para a reserva por causa da Copa perdida em pleno Maracanã, em 1950, ainda que até às vésperas de 1954 tenha resistido bravamente.
O jogador Zico com os micro shorts da seleção que ganharam fama popular nos anos 1970 e 80 Disposto a deixar no passado os algozes uruguaios, o jornal carioca “Correio da Manhã” promoveu um concurso para a criação do novo uniforme oficial. Nesta empreitada, a tarefa de traduzir o sentimento da nação coube a Aldyr Garcia Schlee, gaúcho nascido, ironicamente, no meio fio entre o Brasil e o Uruguai.
Idealizador do emblemático calção azul com veios brancos e camisa amarela com detalhes em verde, Aldyr já não vê motivos para comemorar: “A camisa canarinho, tão bonita e tão vilipendiada − que, além de vestir nossa discutível e muitas vezes vitoriosa seleção de futebol, foi transformada em símbolo nacional brasileiro – hoje habita e povoa todos os cantos do planeta, remetendo-nos a uma necessidade de manifestação de patriotismo que me desagrada e com a qual não posso concordar”, disse em entrevista a um site europeu.
Protagonista de quatro das cinco Copas conquistadas pelo Brasil (1962, 1970, 1994 e 2004) – ausente apenas em 1958, por conta da final contra a Suécia, que arriscou o mando de amarelo –, a combinação sobreviveu às tendências e aos modismos, ainda que tenha sido vítima de muitos experimentalismos. Quem não se lembra, por exemplo, dos shorts agarradinhos, semidesbotados, com cara de país subdesenvolvido, usados pelos rapazes nas décadas de 1970 e 1980?

O fato é que deu samba e os baticuns tomaram as arquibancadas, elevando o futebol, até então espetáculo popularesco, à condição de arte. Na evolução deste ícone pátrio, vale lembrar que nem sempre os tons da bandeira tremularam mais fortes. Em algumas partidas sul-americanas datadas de 1917, o escrete brasiliano foi a campo de vermelho! No Chile, em 1962, preferiu tirar do armário a versão inverno, de mangas compridas, com punhos e golas verdejantes. Já em 1968, na releitura com gola careca, o peito foi cravejado com duas estrelas – alusivas às vitórias passadas; adereço que logo virou constelação.
Com a entrada do patrocínio, a edição de 1977 estendeu as faixas da Adidas por todo o perfil da blusa, além de ostentar a logomarca da empresa bem ao lado do escudo. Num contragolpe certeiro, a Topper assumiu retomando o viés puído da “Era do Tri”, acrescentando o nome do país abaixo do brasão e a sua marquinha no canto direito da camisa. Em 1986, um tímido colarinho contracenou com os calções grafados com os números dos atletas.
Em 1977, o dinheiro falou mais alto: pela primeira vez o uniforme da seleção ganhou interferências gráficas por conta de um patrocínio 
Mas foi apenas no início dos anos 1990 que a tecnologia aportou na indústria têxtil. Ainda pouco familiarizada com as maravilhas do mundo novo, a Umbro exagerou na dose: resolveu estampar a sua divisa, devidamente redesenhada, como se fosse uma holografia num tecido überbrilhante.
Depois disso, o reencontro com a bossa dourada foi obra da todo-poderosa Nike, em 1997. Cada vez mais vintage, já em pleno século 21, voltaram para o topo da lista as cobiçadas peças setentistas. Na sequência, as interferências foram apenas hi-tech, deixando o design mais leve e despretensioso.
Neste enredo, para a temporada de caça ao Hexa, na África do Sul, o tal less is more conteve as cabeças geniosas para se atrever numa seara onde apenas os hits sustentáveis estão permitidos. A aposta da Nike para a Copa do Mundo de 2010 foi investir no desenvolvimento de um tecido Dri-Fit feito de PET reciclado, 15% mais leve do que os exemplares anteriores, garantindo maior aderência e fluidez ao corpo, com respiros laterais e silk screen em vez dos bordados.
Supertecnológico, o novo uniforme da seleção é mais leve, mais econômico oferece melhor desempenho aos atletas e ainda é feito de garrafas PET recicladas © Divulgação/CBF
Cada camisa será fabricada a partir de oito garrafas PET retiradas de aterros no Japão e na Tailândia, e sistemas não agressivos ao meio ambiente, com economia prevista de 30% de recursos. De acordo com a vice-presidente de negócios da Nike, Hannah Jones: “O elo da empresa com a sustentabilidade nunca esteve tão claro”.
Respeitada e admirada nos quatro cantos do planeta, a camisa amarelinha da Seleção Brasileira completa 56 anos com direito a conceitos minimalistas e repaginada sustentável.


Por Patrícia Favalle
+ Site oficial da CBF: cbf.com.br

fotos; Divulgação / CBF